Carnival of Souls -1962








A MORTE CONVIDA PARA DANÇAR!
De Cult Movie a Filme de Arte, Carnival of Souls influenciou toda uma geração de realizadores, profundamente sugestionados por suas sequências arrepiantes.
Quase 30 anos se passaram, até que se pudesse avaliar com justiça uma das maiores obras desconhecidas do Cinema de Terror, então destinada a sessões de TV espremidas no horário da meia-noite ou salas europeias dedicadas aos “cults” mais herméticos.
Produzido por uma dupla de aventureiros do Kansas -o realizador de filmes educativos Herk Harvey e o obscuro argumentista John Clifford- Carnival of Souls teve o plot concebido pelo segundo, a partir de uma ideia do companheiro impressionado pela visita a Saltair, um parque aquático abandonado em Salt Lake City.
Aparentemente linear, a história parte de um acidente de carro do qual a ingénua organista de igreja Mary Henry –Candace Hilligoss- escapa (?), imiscuindo-se por uma sequência de acontecimentos bizarros derivados de suposta paranóia.
Mary escolhe uma pensão no interior para morar, onde encontra o atrapalhado conquistador John Linden –Sidney Berger, canastrão que rouba a cena.
Presa numa teia de delírios sucessivos, nos quais vê-se perseguida por uma estranha figura de pancake afeita a aparições em reflexos de vidros e espelhos, conta com a ajuda de um psiquiatra, mas logo percebe ser inútil qualquer tentativa de “cura.”
O final, incongruente para quem tem preguiça de pensar, encerra a obra com um fecho metafísico de múltiplas abordagens.
Entretanto, o que legou a Carnival of Souls seu status de obra-prima do género, foram certos aspectos técnicos amparados pela esplendida fotografia de Maurice Prather, cria da produtora Centron Corporation, pertencente ao próprio Harvey, que dá à fita requintes de um preto-e-branco associável a mestres da categoria de Sven Nykvist ou dos velhos Buñuel da fase mexicana.
Harvey não brincou em serviço: em apenas três dias, fez com que o projecto aproveitasse o embalo do entusiasmo reinante na jovem equipa, amarrando cada plano na base de improvisos decisivos para a evolução da obra: por si majestoso, o Saltair funciona como o ápice do pesadelo vivido por Mary, com sua horda de fantasmas de pancake bailando alucinadamente.
Peça importantíssima do filme, a banda-sonora incidental de órgão composta por Gene Moore, alia-se ao clima sinistro do argumento, uma tapeçaria musical que passa do religioso ao gótico com efeito aterrador, acompanhando o dilema da personagem.
Carnival of Souls ganhou celebridade em suas exibições esparsas e terminou influenciando cineastas que se afirmariam na década seguinte dos 1970, como George A. Romero e David Lynch, este pela sintaxe tortuosa da narrativa.
Mal comparado a episódios da celebrada série televisiva The Twilight Zone, o filme ganharia edições vistosas em DVD, para vingar-se do descaso sofrido durante anos no undeground. Inegavelmente uma gema para apreciação de todas as gerações de cinéfilos adeptas do Cinema de Terror.
Atenção!O plano do desdobramento de Mary Henry numa loja, é especialmente genial.
Por trás de sua cabeça o horizonte se desvanece, com efeito imitado inúmeras vezes em filmes de temática sobrenatural.
Realmente o cinema é fantástico, e descobrir filmes que estão há tanto tempo encerrados nos baús a ganhar teias e pó , é extremamente enriquecedor para nós cinéfilos,realizadores!!!
Existe um site o like television em que se pode ver online com excelente imagem e som e ecrãn completo toda uma colecção de filmes de culto , desde os de terror série b e ficção cientifica, até clássicos como os primeiros filmes de charlie chaplin entre muitas outras raridades cinematográficas.
Vi este Carnival of Souls hoje e fiquei realmente impressionado pelo filme em si, embora em alguns aspectos na representação de alguns actores , a coisa não tenha corrido muito bem , mas o que me impressionou mais foi a atmosfera do filme em si, e a protagonista do filme , fez-me lembrar um bocado de Catherine Deneuve no filme Repulsa de Roman Polansky, aquela sucessão de acontecimentos absurdos , hipnóticos,psicológicos, em Carnival of Souls a permissa é identica.
Fiquei impressionado com o filme , que fiz uma busca há procura de respostas e eis que elas aqui estão.
Um filme de baixo orçamento feito em duas semanas que infleunciou cineastas como romero ou lynch , um filme caracteristico do inicio de carreira de buñuel ou jean couteau , tem de ser mesmo objecto de culto.
Um grande filme de terror psicológico , um filme de culto a ver a descobrir ou redescobrir.
O cinema é realmente fantástico!!!!!!!Fascinante!!!!!
Carnival of Souls(1962)
Realização: Herk Harvey
Com: Candace Hilligoss, Frances Feist, Sidney Berger
Duração: 78 min.(p/b-eua)


Comentários

Migas-o-Sapo disse…
Cheira-me a um clássico agreste... Radical!

Mensagens populares deste blogue

O Discurso cartaz oficial

O Discurso rodagem em São Brás de Alportel

O Discurso Ante Estreia Nacional