CEMITÉRIO DE PIANOS ( ESPAÇO KARNART -LISBOA -até 28 de junho)


“Cemitério de Pianos”
A ESCRITA POÉTICA

Em “Cemitério de Pianos” estamos perante uma obra que nos confronta com uma dos maiores medos do nosso íntimo: a morte. Assim começa e assim termina a narrativa, com a dor da perda, o desespero de ver partir quem se ama e a impotência dos que assistem sob um manto pesado de angústias e porquês. De mãos dadas com a morte, o milagre do nascimento acompanha a um ritmo próprio os acontecimentos mais marcantes deste enredo, construído solidamente sobre alicerces firmes de convicções e esperanças.
Com uma fluência extraordinária e um travo a poesia que sacia os que lêem também pelo prazer das palavras, este é um livro para nunca mais esquecer, como o são, de resto, todas as obras de José Luís Peixoto, um escritor jovem mas “maduro”, como o define o próprio Luís Sepúlveda, um nome consagrado da literatura mundial. Sem artifícios desnecessários, a escrita de José Luís Peixoto é de facto de uma consistência irrepreensível e de uma beleza aliciante.

Foi no dia 16 de maio que vi esta performance/instalação baseada neste romance de josé luis peixoto .
No início estava um bocado apreensivo porque o espaço onde se iria realizar a performance era bastante pesado , na obstante de ser nas antigas instalções da faculdade de medicina veterinária.
Mesas em pedra onde realizavam as autopsias aos animais , paredes brancas com humidade e descarnadas da pintura , e um cheiro que não consigo definir , este era o espaço onde o espectáculo se iria desenvolver.
Todo o espectáculo é de facto pesado , desde da própria encenação com uma profusão de objectos
antigos e imagens , com aquele cheiro característico do mofo , ainda veio ajudar a que o espectáculo conseguisse ter uma carga muito forte e de adrenalina no público.
Os actores passeiam , é esse o termo correcto , passeiam pelo espaço , o público está em constante contacto com os actores , é isso que intimida também , mas tudo o que acontece é de facto uma experiência , eu no final estava estarrecido com o espectáculo , gostei muito , e deu-me muitos ideias para futuros projectos na área em que estou inserido , o cinema.
Realmente espectáculos destes são raros e só acontecem nos grandes centros urbanos , para não referir que o próprio espaço karnart está condenado a fechar porque o nosso governo quer adquirir o imóvel para expandir as intalações da polícia judiciária.
Soluções para um novo espaço pelo que percebi ainda não existem , e assim as pessoas que constituem este projecto cultural estão abandonados , como é costume no nosso país , a cultura é sempre colocada de parte , é sempre secundária.
ACONSELHO VIVAMENTE A VEREM ESTE ESPECTÁCULO !!!!!!!

A partir do romance «Cemitério de Pianos», de José Luís Peixoto, este espectáculo ´fala´ sobre a vida e a morte, sobre a transformação.

Inspiração para uma instalação que vai ganhando corpo, individualidade que se afirma como objecto artístico.


Grupo/Actores: Bernardo Chatillon, Emanuel Arada, Fernando Grilo, Joana Furtado, José Mateus e Marta Mendes
Autor: A partir da obra de José Luís Peixoto
Encenador: Luís Castro
Endereço: Rua da Escola de Medicina Veterinária 21, 1000-127 LISBOA
Concelho: Lisboa
Distrito: Lisboa
Telefone: 213152192
www.karnart.org

Comentários

mAmAdA_mAn disse…
WWW.MOTORATASDEMARTE.BLOGSPOT.COM

WWW.MOTORATASDEMARTE.BLOGSPOT.COM


WWW.MOTORATASDEMARTE.BLOGSPOT.COM

Mensagens populares deste blogue

O Discurso cartaz oficial

O Discurso rodagem em São Brás de Alportel

O Discurso Ante Estreia Nacional