paradoxon logo flash

O Discurso

segunda-feira, dezembro 31, 2007

Porque hoje termina o ano- o melhor de 2007



PORQUE HOJE TERMINA O ANO , o CAMARA DE FILMAR deseja a todas as pessoas bons filmes,livros,música e cultura acima de tudo deixando-vos aqui neste espaço o que de melhor aconteceu em 2007 na perspectiva do camara de filmar e também para referir a morte de dois grandes mestres do cinema mundial Ingmar Bergman e Antonioni o cinema ficou mais pobre mas as suas obras serão eternas. Bom ano para todos aqueles que me têm apoiado e me seguido nestas andanças dos filmes. Feliz 2008.
Albúm do ano na minha visão este novo trabalho dos Mogwai é realmente inspirador para quem procuro sons atmosféricos e ambientes nostálgicos e soturnos.

Banda sonora do filme-documentário Zidane, para mim o ALBÚM do ANO.



No que diz respeito há música , estes The National para mim foram a revelação do ano , uma banda a descobrir para quem não conhece ,bom som,voz,muito bom.


Outro factor importante me 2007 , o ciclo de cinema exibido na RTP2 e documentários sobre a vida de charlie chaplin.
Isto sim é serviço público e do bom!!!!



O ano de 2007 foi um realmente sem tempo para a leitura que tanto aprecio e de onde obtenho algumas ideias para os meus filmes.

E, por isso lembrei-me deste livro que já o li há muito tempo , um livro extraordinário de albert camus, livro este que já foi adaptado ao cinema várias vezes , mas quem melhor o adaptou foi orson wells com aquele génio imponente realizou mais um dos seus grandes filmes.

Fica a sugestão para uma leitura .



Uma descoberta em relação ao cinema B. Este carnival of souls é realmente um filme a descobrir, para mim no panorama de 2007 foi o único filme que me surpreendeu, e um filme já com muitos aninhos , na obstante filme este que influenciou cineastas com david lynch.











quinta-feira, dezembro 27, 2007

1º Aniversário do Camara de Filmar









Faz hoje 1 ano que este espaço nasceu!
O objectivo do nascimento deste blog desde o início foi divulgar o cinema, sim o cinema!
Não os filmes que estreiam ou as criticas dos filmes que venceram algum prémio ou perderam, mas sim falar sobre cinema , este foi sempre o objectivo do nascimento deste blog.
As opiniões poderão não ser as mais adequadas , mas acho que todos os posts aqui colocados de uma certa maneira são relevantes nem que sejam para divulgar filmes "perdidos".
O outro objectivo foi divulgar festivais de cinema em portugal que não são do conhecimento do público em geral.
Depois em termos mais pessoais divulgar os meus trabalhos enquanto cineasta e festivais em que participei.
Mas o que realmente é de realçar e importante ao longo deste 1ºano do blog camara de filmar foi sim do que falei e do que divulguei, o cinema , os filmes , os cineastas.
É esse o meu objectivo e vou continuar a manter esta linha que tracei no início desta "realização", colocar a câmara dizer acção !!!!!
Obrigado a todos os visitantes que aqui vieram , muito obrigado também a todas as pessoas que têm me ajudado ao longo destes anos todos!!!
OBRIGADO!!!!
AGORA VOU SOPRAR A VELINHA DO ANIVERSÁRIO 1 ANINHO !!!!!!



terça-feira, dezembro 25, 2007

Porque hoje é Natal- Do Céu Caiu Uma Estrela- de Frank Capra

Do Céu Caiu Uma Estrela

It’s a Wonderful Life
RKO Radio Pictures
Liberty Films EUA 1946, 129m, drama
Realizador: Frank Capra
Argumento: Frances Goodrich, Albert Hackett, Jo Swerling e Frank Capra, baseado na história The Greatest Gift de Philip Van Doren Stern
Actores: James Stewart, Donna Reed, Lionel Barrymore, Thomas Mitchell, Henry Travers, Beulah Bondi, Frank Faylen, Ward Bond,

Um anjo evita que um homem se suicide e mostra-lhe como a vida da pequena cidade onde vive seria sem ele.

Do Céu Caiu uma Estrela é um excelente exemplo do cinema sentimental de Frank Capra. A forma simples e eficaz como transmite a mensagem universal de como um homem comum pode transformar (para melhor, claro) a vida dos que o rodeiam é perfeita e o grande charme do filme. Talvez a altura em que o filme estreou (pós-guerra) tenham contribuído para o seu fracasso, mas o acaso (mais uma vez) veio fazer justiça e trazer reconhecimento a uma das mais emblemáticas produções do cinema americano.
Só porque hoje é Natal , Do Céu Caiu Uma Estrela é um exemplo de como o cinema pode ser realmente extraordinário.
Revejam uma das obras primas de Frank Capra.

terça-feira, dezembro 11, 2007

Charles Chaplin- documentário na rtp2






Charles Chaplin como você nunca viu antes o Artista, o Génio, a Mágica...

"CHAPLIN HOJE" é uma série coordenada por Serge Toubiana, director da Cinemateca Francesa que convida algumas personalidades para falar sobre um determinado filme. A inteligência da escolha faz com que cada uma daquelas personalidades apresente um dos filmes de Chaplin, evidenciando aquilo que acabou por afectar o seu próprio cinema e o modo como passaram a ver o mundo.Uma série de documentários que nos mostra muitas histórias de "bastidores" sobre os filmes de Chaplin, contando curiosidades sobre cada um deles.Digamos que isto é que é realmente serviço público, uma homenagem a charlie chaplin a quandoda sua morte que faz 30 anos.Uma série de documentários exibidos durante esta semana de na rtp2 , como sempre a rtp2 continua com a sua programação realmente de "luxo" , é isto que é realmente televisão, e podemos assim rever o génio e o talento deste grande cineasta,actor,....Charles Chaplin.Obrigado rtp.vejam que é sempre bom rever charlie chaplin.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Carnival of Souls -1962








A MORTE CONVIDA PARA DANÇAR!
De Cult Movie a Filme de Arte, Carnival of Souls influenciou toda uma geração de realizadores, profundamente sugestionados por suas sequências arrepiantes.
Quase 30 anos se passaram, até que se pudesse avaliar com justiça uma das maiores obras desconhecidas do Cinema de Terror, então destinada a sessões de TV espremidas no horário da meia-noite ou salas europeias dedicadas aos “cults” mais herméticos.
Produzido por uma dupla de aventureiros do Kansas -o realizador de filmes educativos Herk Harvey e o obscuro argumentista John Clifford- Carnival of Souls teve o plot concebido pelo segundo, a partir de uma ideia do companheiro impressionado pela visita a Saltair, um parque aquático abandonado em Salt Lake City.
Aparentemente linear, a história parte de um acidente de carro do qual a ingénua organista de igreja Mary Henry –Candace Hilligoss- escapa (?), imiscuindo-se por uma sequência de acontecimentos bizarros derivados de suposta paranóia.
Mary escolhe uma pensão no interior para morar, onde encontra o atrapalhado conquistador John Linden –Sidney Berger, canastrão que rouba a cena.
Presa numa teia de delírios sucessivos, nos quais vê-se perseguida por uma estranha figura de pancake afeita a aparições em reflexos de vidros e espelhos, conta com a ajuda de um psiquiatra, mas logo percebe ser inútil qualquer tentativa de “cura.”
O final, incongruente para quem tem preguiça de pensar, encerra a obra com um fecho metafísico de múltiplas abordagens.
Entretanto, o que legou a Carnival of Souls seu status de obra-prima do género, foram certos aspectos técnicos amparados pela esplendida fotografia de Maurice Prather, cria da produtora Centron Corporation, pertencente ao próprio Harvey, que dá à fita requintes de um preto-e-branco associável a mestres da categoria de Sven Nykvist ou dos velhos Buñuel da fase mexicana.
Harvey não brincou em serviço: em apenas três dias, fez com que o projecto aproveitasse o embalo do entusiasmo reinante na jovem equipa, amarrando cada plano na base de improvisos decisivos para a evolução da obra: por si majestoso, o Saltair funciona como o ápice do pesadelo vivido por Mary, com sua horda de fantasmas de pancake bailando alucinadamente.
Peça importantíssima do filme, a banda-sonora incidental de órgão composta por Gene Moore, alia-se ao clima sinistro do argumento, uma tapeçaria musical que passa do religioso ao gótico com efeito aterrador, acompanhando o dilema da personagem.
Carnival of Souls ganhou celebridade em suas exibições esparsas e terminou influenciando cineastas que se afirmariam na década seguinte dos 1970, como George A. Romero e David Lynch, este pela sintaxe tortuosa da narrativa.
Mal comparado a episódios da celebrada série televisiva The Twilight Zone, o filme ganharia edições vistosas em DVD, para vingar-se do descaso sofrido durante anos no undeground. Inegavelmente uma gema para apreciação de todas as gerações de cinéfilos adeptas do Cinema de Terror.
Atenção!O plano do desdobramento de Mary Henry numa loja, é especialmente genial.
Por trás de sua cabeça o horizonte se desvanece, com efeito imitado inúmeras vezes em filmes de temática sobrenatural.
Realmente o cinema é fantástico, e descobrir filmes que estão há tanto tempo encerrados nos baús a ganhar teias e pó , é extremamente enriquecedor para nós cinéfilos,realizadores!!!
Existe um site o like television em que se pode ver online com excelente imagem e som e ecrãn completo toda uma colecção de filmes de culto , desde os de terror série b e ficção cientifica, até clássicos como os primeiros filmes de charlie chaplin entre muitas outras raridades cinematográficas.
Vi este Carnival of Souls hoje e fiquei realmente impressionado pelo filme em si, embora em alguns aspectos na representação de alguns actores , a coisa não tenha corrido muito bem , mas o que me impressionou mais foi a atmosfera do filme em si, e a protagonista do filme , fez-me lembrar um bocado de Catherine Deneuve no filme Repulsa de Roman Polansky, aquela sucessão de acontecimentos absurdos , hipnóticos,psicológicos, em Carnival of Souls a permissa é identica.
Fiquei impressionado com o filme , que fiz uma busca há procura de respostas e eis que elas aqui estão.
Um filme de baixo orçamento feito em duas semanas que infleunciou cineastas como romero ou lynch , um filme caracteristico do inicio de carreira de buñuel ou jean couteau , tem de ser mesmo objecto de culto.
Um grande filme de terror psicológico , um filme de culto a ver a descobrir ou redescobrir.
O cinema é realmente fantástico!!!!!!!Fascinante!!!!!
Carnival of Souls(1962)
Realização: Herk Harvey
Com: Candace Hilligoss, Frances Feist, Sidney Berger
Duração: 78 min.(p/b-eua)